Skip to main content

Vegano Respondendo Perguntas sobre o Veganismo – Parte 1

Recentemente perguntamos para nossos amigxs quais eram as dúvidas sobre o veganismo, para a nossa surpresa surgiram dezenas de perguntas. Foi então que o nosso fundador, Rick Campos, decidiu abrir a temporada como Youtuber.

Não sabíamos qual formato seria, foi então que decidimos apresentar nosso rosto, interagir com amigxs e visitantes e deixar que tudo fluísse naturalmente. Para o primeiro vídeo foram selecionadas somente 9 perguntas, e mesmo assim foram mais de dez minutos de conteúdo.

Algumas perguntas são muito técnicas e envolvem profissionais da área da saúde, com certeza convidaremos em breve algumas pessoas para gravar conosco. As perguntas selecionadas foram:

1. Usar ou não usar canudinho de plástico?

No Brasil, o consumo de plástico chega a 10 Kg por ano/por pessoa. Na Europa e Japão, 50 Kg por ano/por pessoa. Nos Estados Unidos o número é de 70 Kg por ano/por pessoa. Mas o pior é que, embora a maioria das garrafas usadas para refrigerantes e água sejam feitas de tereftalato de polietileno (Pet),  altamente reciclável, as seis principais empresas de bebidas no mundo usam apenas 6,6% de Pet reciclado em seus produtos. Infelizmente, nenhuma  pretende usar 100% de reciclagem do plástico em sua produção global (Greenpeace).

Devemos separar o lixo reciclável e descartar o plásticos limpos para que ele possa ser reaproveitado. Pesquise os Ecopontos em seu bairro ou cidade para fazer o descarte apropriado de certos tipos de materiais. E lembre-se, sempre que uma bebida vier em embalagem Tetra Pack com canudinho de plástico, ao descartar coloque o canudinho dentro da embalagem para que seja facilmente reciclado posteriormente.

2. Podemos consumir produtos com traços de ovos ou leite?

Uma das polêmicas mais comuns no meio vegano de hoje são os tais dos traços de matérias-primas de origem animal em alimentos considerados vegetarianos (aqueles que não possuem nenhum ingrediente propriamente dito vindo de animais). Provavelmente você já presenciou ou participou de debates sobre o assunto: consumir ou não consumir alimentos cujo rótulo aponta que “podem conter” traços?

Isso trata-se de uma obrigatoriedade, de acordo com a norma da ANVISA RDC 26/2015, a indústria alimentícia deixar explícito no rótulo que aquele produto “pode conter” determinados pseudocomponentes (a máquina usada para a fabricação desse produto já fabricou outros produtos com esses ingredientes e mesmo higienizada, lavada e esterilizada ela pode conter resíduos minúsculos, mas altamente prejudiciais para os alérgicos). Isso se deve ao motivo de que estes são alergênicos, ou seja, fazem mal a pessoas com alergia a uma ou mais daquelas matérias-primas.

A indústria de modo geral usa muitas siglas e nomenclaturas que nós desconhecemos, muitas vezes até mesmo em inglês, algumas são substancias com origem animal, neste caso, com esta nova norma, eles são obrigados a escrever “contem ovos, leite,…”, sem poder esconder do cliente ou burlar usando siglas desconhecidas. Chega de nomes complicados para nos enrolar, certo?

3. E as proteínas?

Essa pergunta dispensa respostas, cada alimento possui sua própria qualidade, seja proteínas, nutrientes e/ou vitaminas. O importante aqui é pensar na substituição. Que nada mais é do que trocar a proteína da carne animal, pelas proteínas dos vegetais. Por exemplo, 100g de soja tem 34g de proteína, 100g de amêndoas tem 21,1g de proteínas e por aí vai. A dica é apostar na diversidade de vegetais e evitar o excesso de apenas um. Assim você mantêm uma alimentação saudável e equilibrada.

Mas fique tranquilx que o veganismo é a melhor opção para você, para os animais e para o planeta, sem contar que a maioria dos vegetais têm abundância em proteínas e vitaminas. Olha essa tabela!

E onde estão as proteínas?

(quantidade de proteínas a cada 100gr de alimento)

4. Qual é o percentual de clientes veganos que compram na Vegasite?

Pasmem, mas apenas 20% dos nossos clientes são veganos, o restante são pessoas buscando uma alimentação correta e mais saudável e uma menor parte de pessoas alérgicas a determinado ingrediente e buscam na alimentação vegana a solução para os seus problemas.

O importante é que de um modo ou de outro, o veganismo está em alta e veio para ficar. E nós  fazemos questão de mostrar que é sim, possível, ter uma alimentação 100% vegana de forma fácil, barata, gostosa e muito nutritiva.

5. Quais são as principais marcas de cosméticos veganos?

Esse é um assunto muito delicado, mas que devemos ter cuidado ao indicar uma ou outra marca. Digo isso porque para um cosmético ser considerado vegano, além de não poder conter nenhum ingrediente de origem animal, como o mel e colágeno hidrolisado (proveniente do osso dos bovinos), não deve ser testado em animais. A maioria das marcas brasileiras não testam diretamente em laboratórios, mas os fornecedores delas testam determinados ingredientes, o que dá na mesma.

A Natura já tinha dito há muito anos que não testava em animais, mas com o caso do Instituto Royal em 2013, onde ativistas invadiram a instituição que testava cosméticos em cachorros da raça BEAGLE, foram também encontrados documentos com o nome da Natura. Na época a marca disse que era cliente apenas da unidade de Porto Alegre e que faziam teste in vitro, que nada mais é do células de tumores humanos e pele de roedores.

Desconfiem sempre das grandes marcas, elas realizam testes para se protegerem de processos jurídicos se resguardando, caso algum cliente tenha problemas com o uso de seus produtos. Foi a forma mais barata, porém muito cruel que encontraram de se resguardar e ter lucro. Por isso, indicar uma marca de cosméticos, higiene ou de beleza envolve muita responsabilidade de pesquisar e conhecer a empresa, então só indicamos poucas marcas, como a: Cativa Natureza, Suavetex/ Contente, Face It, Lola Cosmetics, Boni Natural e a AnaZoe.

Quer ver o vídeo completo com todas as perguntas e respostas? Clique aqui e assista agora mesmo!

As 4 perguntas e respostas finais foram publicadas em uma nova postagem com a parte 2. Clique aqui para ler!

Entenda os impactos do consumo de carne para o meio ambiente

Muitas pessoas não acreditam que o veganismo também pode ser ecologicamente sustentável. Dizem que deixar de comer um bife ou fazer um churrasco não vai salvar o mundo, reclamam que todos os veganos são chatos e que precisam parar de frescura. A novidade é: isso não é boato ou mito, pois os impactos do consumo de carne são reais e perigosos.

Os impactos do consumo de carne

Ao mostrar esse argumento para seu amigo carnívoro você provavelmente ouvirá: “Ah, mas os humanos comem carne desde sempre e vão continuar comendo”.

Na verdade, boa parte da população mundial não se alimenta de carne ou derivados animais. As populações que mais consomem esses tipos de produtos são aquelas com nível socioeconômico mais elevado.

Pergunte-se: por que nem todos comem carne se é algo tão natural do ser humano? Isso seria impossível porque existem alguns fatores que limitam sua produção.

Alimentação dos animais

Antes da carne chegar à mesa do consumidor ela foi um animal (algo que muitos evitam assumir) e muitas vezes de grande porte. O gado, por exemplo, exige quilos e quilos de alimento para ser criado. Uma vaca precisa de 10 a 15 quilos de cereais para fornecer 1 quilo de proteína. Não seria mais fácil alimentar a população com esses cereais?

A água consumida também está entre os impactos do consumo de carne. Como sabemos, o várias regiões do mundo vivem uma crise hídrica. Precisamos refletir sobre a maneira de usar esse recurso essencial, mas poucos lembram disso em relação à dieta.

Infelizmente, a produção de carne não é nada sustentável em relação aos recursos hídricos. Esse é um dos impactos do consumo de carne: gasto excessivo de água. Criar gado para abate pode exigir dez vezes mais água do que plantar cereais (que alimentam um número bem maior de gente).

Poluição do solo e da água

Um grande número de animais concentrados no mesmo local gera resíduos (urina e fezes) que se depositam no solo. Mesmo em um local com limpeza regular, esses resíduos contaminam a terra e, além de deixá-la imprópria para diversos tipos de plantações, também contaminam os lençóis freáticos.

Portanto, tanto terra quanto água próximas ao local de criação poderão ser prejudicadas. Isso também quer dizer que a população local terá maior probabilidade de entrar em contato com alimentos e água impróprios para consumo.

Desmatamento

O consumo desenfreado de carnes e seus derivados faz com que criadores comprem mais terra para conseguir produzir mais. Sabe o que isso significa? Desmatamento!

Para criar animais para abate é necessário uma quantidade gigantesca de terra. O pior: essa terra será inutilizada para cultivo devido aos resíduos deixados no solo e produzirá uma quantidade bem pior de alimento do que se plantassem cereais no local.

Emissão de gases do efeito estufa

Todas as criaturas vivas emitem esses gases, certamente. O que faz com que o gado seja especial é seu processo digestivo, que gera ainda mais gases lançados ao ambiente.

Se adicionarmos a isso o desmatamento, que diminui a cobertura vegetal que amenizaria o efeito estufa, temos a fórmula perfeita para um problema ambiental — e um dos principais impactos do consumo de carne.

Pense bem, o modelo alimentar americano (rico em carnes processadas) produz seis vezes mais gases que a dieta espanhola. Será que esse realmente é o modelo mais sustentável para um mundo cada vez mais populoso e frágil em termos ambientais?

Agora que você entendeu um pouco melhor como seus hábitos alimentares podem influenciar o meio ambiente, aproveite para compartilhar o texto nas redes sociais!

Foto de capa: Annie Spratt on Unsplash

Essas 6 verdades provam que ser vegano não é caro

Um dos grandes mitos que envolvem o veganismo, e que infelizmente é muito difundido, é o que diz se tratar de uma dieta muito cara. O que os carnívoros não sabem é que ser vegano pode, na verdade, ajudar muito o seu bolso. A economia trazida por esse estilo de vida é perceptível por aqueles que adotam a mudança de hábitos de maneira eficiente.

Veja 6 verdades que provam como o estilo de vida vegano pode ser benéfico também para a conta bancária e tenha bons argumentos para decidir mudar de vida.

1. Ser vegano quer dizer comer frutas, legumes e verduras

Quem pensa que o estilo de vida vegano pesa no bolso esquece de uma coisa muito importante: veganos comem praticamente o mesmo que outras pessoas, com exceção da carne e derivados de animais. Para preparar uma refeição vegana de qualidade basta ir à feira e comprar vegetais fresquinhos. Produtos processados são bem mais caros que as frutas e outros vegetais da feira.

2. Comprar de produtores locais sai bem mais barato

Ao tornar-se vegano a pessoa ganha um incentivo adicional para consumir de produtores locais. Em vez de ir ao supermercado onde os vegetais raramente são frescos e orgânicos, uma boa opção são as feiras de produtores locais, que costumam vender mais baratos.

Além disso, você também consegue os vegetais mais frescos, com maior qualidade e mais sabor para sua refeição.

3. Ser criativo nas receitas traz economia

Assim que alguém se torna vegano precisará adaptar todas suas receitas preferidas para esse estilo de vida. Deixar de comer carne e seus derivados não impede alguém de comer uma ótima lasanha. O mesmo acontece com inúmeros outros ítems comuns da dieta.

Ao adaptar essas receitas, o vegano torna-se mais econômico porque substitui a carne, leite e afins, que são itens mais caros na dieta. Uma lasanha de berinjela, por exemplo, pode sair bem mais em conta que outra que utiliza carne, presunto e queijo.

4. Carne é mais cara que vegetais do dia a dia

Vá ao mercado e observe o preço da carne com cuidado. Constate: ser carnívoro é realmente mais barato do que comer apenas vegetais? As peças de carne estão entre os produtos mais caros no carrinho de compras. Isso é facilmente justificável: o custo da criação de gado supera em muito o custo das plantações.

5. Adotar o veganismo previne doenças e gastos com medicamentos

Como sabemos, uma dieta saudável é a chave para uma vida longa e sem problemas de saúde. A dieta vegana ajuda a prevenir hipertensão e outros problemas cardíacos, além de doenças crônicas como diabetes e enxaqueca.

Se você quer evitar gastos com médicos e realizar um trabalho preventivo com sua saúde, esse é o melhor caminho.

6. Usar a internet ajuda a economizar

Os novatos no modo de vida vegano podem ficar tranquilos. Existem diversos sites, páginas e grupos de Facebook onde veganos compartilham conhecimento. Grupos desse tipo são ótimos para encontrar receitas baratinhas para fazer em casa e descobrir onde comprar alimentos livres de derivados de animais. Eles também servem como grupo de apoio para quem tem dificuldade em manter a dieta, por qualquer motivo.

O veganismo é um estilo de vida saudável e acessível. Se você é um vegano experiente, deixe aí nos comentários suas dicas preferidas para economizar com alimentos. Se quer ser vegano, comente suas principais dúvidas para que os colegas respondam e te ajudem a adotar um estilo de vida mais saudável!

Foto: Anne Preble / Unsplash

Nem peixe, leite ou ovo? 6 perguntas chatas feitas aos veganos

O modo de vida vegano é ótimo para a saúde e também ajuda os adeptos a manterem princípios morais. Mesmo assim, sempre que veganos estão envolvidos na conversa alguém precisa chegar com uma dessas perguntas irritantes.

Confira neste artigo 6 perguntas chatas que nenhum vegano aguenta mais ouvir. Com certeza, você conhece alguém que fala pelo menos uma delas quando descobre que você não consome alimentos de origem animal.

1. Você não sente saudade de comer churrasco?

É difícil entender essa obsessão dos carnívoros com churrasco. Por algum motivo parece que eles não conseguem viver sem fazer esse festival de carne na grelha pelo menos uma vez por mês.

Provavelmente, todo vegano já precisou explicar que não, não sente saudades de comer churrasco. Além disso, dá perfeitamente para fazer um maravilhoso churrasco vegano usando nossos queridos vegetais. Se o seu amigo continuar duvidando, prove para ele que um churrasco vegano é ainda melhor que o carnívoro.  

2. Ser vegano é saudável?

Muita gente pensa que não comer carne, laticínios e derivados nos deixaria com deficiência de algumas vitaminas e sais minerais. Chegou a hora dos carnívoros descobrirem que existem muitas (e ótimas) fontes de proteína, cálcio e sais minerais vegetais.

Ou seja, os veganos não precisam comer carne para ser saudáveis! Claro que tudo depende de uma alimentação balanceada. Mas eles sabemos que, mesmo comendo carne, boa parte das pessoas não se alimentam muito bem.  

3. Veganos não comem nem queijo?

Essa pergunta vem da confusão que alguns fazem entre veganos e vegetarianos. A resposta é um simples não. Queijo é um derivado do leite e, portanto, tem origem animal. Consumi-lo vai contra as éticas e morais veganas, ou seja, não é só um pedacinho de queijo que estão recusando.

4. Como você consegue proteína e cálcio?

Será que esse pessoal já ouviu falar de todos os vegetais que podem ser usados para substituir a carne e o leite? Alguns exemplos são o brócolis e o espinafre, que substituem os laticínios muito bem. Nenhum vegano vai ficar com deficiência de cálcio só porque deixou de tomar derivados de leite.

5. Você só come salada?

Se você já foi convidado para um churrasco e te deram a desculpa de que “ah, mas vai ter salada”, então te entendemos. Os veganos não comem saladas! Pelo contrário, eles têm um cardápio extremamente rico.

Quando você se torna vegano acaba aprendendo diversas receitas que nem te passariam pela cabeça se continuasse na refeição padrão de arroz, feijão e carne.

6. Mas não pode nem leite na receita de bolo?

Alguém precisa avisar as pessoas: não é porque você não vê o leite ou derivados que ele não está lá. Os veganos não consomem esse tipo de alimento, mesmo que ele esteja misturado com o resto da receita.

Felizmente, existem opções veganas de doces para quem optou por esse estilo de vida. Então, toda essa “preocupação” que têm a respeito do veganismo é completamente sem justificativa.

E você, já ouviu uma dessas perguntas sobre seu estilo de vida vegano? Se a sua resposta for sim, compartilhe este conteúdo nas redes sociais. Quem sabe assim aquele amigo chato deixa de te incomodar com questões que ninguém aguenta mais ouvir.

Foto de capa:Braydon Anderson

Vitamina B12

Como controlar a ingestão de vitamina B12?

Se existe uma questão nutricional que precisa da atenção dos veganos é a deficiência da vitamina B12. Isso porque nessa filosofia de vida a alimentação precisa, na grande maioria das vezes, de suplementação desse nutriente importante para funcionamento do organismo.

De acordo com o coordenador do departamento de medicina e nutrição da SVB (Sociedade Vegetariana Brasileira), Eric Slywitch, essa vitamina está presente em grande quantidade apenas nos alimentos de origem animal.

O problema não é tão grande para os vegetarianos que consomem leite, queijos e ovos, pois esses alimentos têm essa vitamina em sua composição natural. Se a frequência de consumo for adequada, talvez não haja necessidade de suplementação.

Sintomas da falta de vitamina B12

Por ingerir baixas ou quase nenhuma quantidade de vitamina B12, os veganos podem sofrer com anemia, danos no sistema nervoso e até doenças cardiovasculares. Os sintomas mais claros são fraqueza, cansaço físico, falta de apetite e perda de peso, por exemplo.

Eles podem aparecer depois de cinco anos de carência ou até dentro de um ano em algumas pessoas. Porém, é preciso investigar, pois os mesmos sinais podem sinalizar doenças que não têm nenhuma relação com a falta de vitamina.

Dessa forma, é importante consultar médicos e fazer exames para chegar a um diagnóstico correto. Detalhe: alguns problemas de saúde causados pela deficiência da vitamina B12 podem ser irreversíveis. Então, a questão merece muita atenção!

Recomendações para um equilíbrio

Para os veganos, o caminho mais adequado é a suplementação e a ingestão de alimentos enriquecidos. Os suplementos de vitamina B12 são fabricados a partir de microorganismos que, segunda a ciência, são seres sencientes (que não têm capacidade emocional).

Além dos veganos, qualquer pessoa acima de 50 anos deve fazer a suplementação de vitamina B12, já que o organismo diminui a capacidade de absorção de fontes naturais.

Em vários países, o recomendado é ingerir 5 mcg (microgramas) da vitamina diariamente. Grande parte dos suplementos tem dose de 10 mcg, mas isso não representa um problema, pois não existem indícios de que o nutriente seja tóxico para nosso corpo.

A forma que a suplementação é feito precisa de bastante atenção, pois a vitamina é mais bem absorvida quando ingerida aos poucos. Se um leite vegetal for enriquecido com 1 mcg de vitamina B12, basta consumir três doses no dia, por exemplo.

Poder da vitamina B12

A vitamina B12 é a única que não pode ser obtida a partir de fontes vegetais. Mesmo com uma dieta rica e diversificada, com frutas, legumes, verduras, grãos e a ajuda dos raios solares (como no caso da vitamina D), não é possível atingir os níveis adequados.

Por isso, para quem não come carne, somente os suplementos e os produtos enriquecidos fornecem a quantidade ideal para manter uma boa saúde. Para se sentir mais seguro, é preciso sempre checar o rótulo desses alimentos, conferindo a tabela nutricional.

Com esses dados em mente, é possível elaborar um controle que atenda à suas necessidades e também seus gostos pessoais. Lembre-se que consultar um nutricionista deve estar na sua rotina vegana. Assim, será possível checar como estão os índices de vitamina B12.

Gosto do texto? Os veganos devem mostrar aos seus pares a importância da suplementação da vitamina B12. Então, compartilhe o conteúdo nas suas redes sociais e ajude-nos a disseminar essa informação!

Youtubers veganos: 8 canais sobre veganismo pra você se inscrever

Os vegetarianos e os veganos têm um verdadeiro universo de possibilidades de informação na internet. Os canais veganos pipocam na rede e disputam audiência, o que faz com que os conteúdos sejam cada vez mais interessantes e as produções muito bem elaboradas para quem precisa de dicas especializadas e práticas.

 

Atualmente, o vídeo é a mídia preferida de quem navega pela web. Por isso, é o meio mais relevante para promover a causa e ajudar os ativistas a encontrarem soluções e inspiração para a vida sem carne.

 

Neste post, selecionamos 8 canais no YouTube que tratam da questão vegan de maneira inteligente e diversificada. O interessante é que eles valem também para quem não adota (ainda) o estilo de vida que rejeita a crueldade com os animais.

 

  1. Panelaço

João Gordo é um dos veganos mais famosos do país e tem o canal de maior sucesso na internet voltado ao universo vegan, o Panelaço. A cada programa, uma receita sem carne é preparada na presença de um convidado especial, chamado para provar a iguaria.

 

Detalhe: geralmente essa pessoa ilustre é onívora, mas o apresentador é bastante arrojado na hora de dialogar e defender suas posições. Imperdível!

 

  1. Vegano Vitor

O Vegano Vitor criou um canal para falar sobre saúde, ética, filosofia e diversos outros assuntos relacionados ao universo do veganismo. Ele derruba mitos e levanta discussões sobre questões muitas vezes deixadas de lado pelos ativistas.

 

Exemplos disso são os vídeos nos quais o youtuber aborda se o veganismo é elitista e entra na polêmica em torno do vegetarianismo e o veganismo. Vale a pena acompanhar.

 

  1. Edgy Veg


Para quem manja de inglês, o canal gringo Edgy Veg traz receitas veganas e vegetarianas baseadas em receitas conhecidas mundialmente, como uma versão vegan do Big Mac ou o Frappuccino do Starbucks.

 

O casal Candice e James, que comanda o canal, afirma que o Eddgy Veg recria os desejos de infância, com sobremesas e pratos da moda. Eles acreditam que nada é fora dos limites e tudo é vegan.

 

  1. Viverdequê

O canal Viverdequê? também é um blog no qual a autora Débora Campos pretende ajudar quem quer melhorar a qualidade de vida e se preocupa com a alimentação.

 

O canal apresenta receitas saudáveis, teste de produtos, indicações de restaurantes e conteúdos gerados por especialistas em nutrição e saúde. O objetivo é construir uma base de dicas práticas para a vida vegana.

 

  1. VegTube

O VegTube é um dos maiores canais sobre veganismo na internet brasileira. Ele é voltado à divulgação do estilo de vida saudável por meio da culinária vegetariana e vegana.

 

A proposta é mostrar receitas práticas com ingredientes de fácil acesso, baseadas em pratos do dia a dia – com uma boa dose de descontração. Um canal para quem deseja cozinhar de maneira simples e rápida!

 

  1. Presunto Vegetariano

O Presunto Vegetariano é outro grande canal sobre veganismo. Ele e o Panelaço dividem o posto de canais mais vistos sobre essa temática. Nele você encontra receitas vegetarianas e veganas, tanto salgadas quanto doces, rápidas, práticas e nutritivas.

 

A intenção dos autores é mostrar quão prática, versátil e variada pode ser a culinária vegetariana para quem gosta ou não de carne.

 

  1. Bora Veganizar

O Bora Veganizar apresenta várias receitas veganas, além de possuir playlists voltadas a viagens, indicações culturais e outros assuntos relacionados a essa filosofia de vida. Além disso, você pode conferir matérias preparadas pela equipe do canal, que também tem um blog.

 

  1. Clube vegano

A proposta do canal Clube Vegano é defender um estilo de vida saudável e livre de qualquer forma de exploração e crueldade animal. As receitas vão além do “arroz com feijão”, como, por exemplo, panetone e chocotone vegano, onion rings, coxinha vegana, hambúrguer de feijão fradinho, entre outras.


Como você viu, hoje existe muita informação e os youtubers servem de inspiração para o novo hábito alimentar e estilo de vida. A variedade de canais sobre veganismo também demonstra que essa cultura chegou ao Brasil para ficar.

 

Você já conhecia algum desses canais que indicamos? Se quiser ver mais conteúdos como este, siga a nossa página no Facebook e mantenha-se atualizado(a).