Skip to main content

Vegano Respondendo Perguntas sobre o Veganismo – Parte 2

Postamos a primeira rodada de perguntas e respostas que recebemos nos nossos perfis no Instagram e Facebook e respondemos em vídeo. Das 9 perguntas e publicadas no vídeo escrevemos no post anterior apenas 5. Relembre aqui: Vegano Respondendo Perguntas sobre o Veganismo – Parte 1.

Dando continuidade as perguntas e respostas sobre o veganismo, escrevemos abaixo as 4 últimas. Confira!

1. Como suplementar a B12 em meu organismo?

As únicas fontes veganas de vitamina B12 são os alimentos enriquecidos (incluindo alguns leites vegetais, alguns produtos de soja e alguns cereais) e os suplementos sintéticos de B12 (comprimidos). A vitamina B12 (incluindo a B12 em alimentos enriquecidos, em suplementos e em alimentos de origem animal) tem origem em microrganismos bacteriológicos.

Para tirar o máximo proveito de uma dieta vegana, os veganos deverão seguir uma das seguintes recomendações:

  • ingerir alimentos enriquecidos 2 ou 3 vezes por dia para obter pelo menos 3 µg de B12 por dia, ou
  • tomar um suplemento de B12 diariamente que forneça pelo menos 10 µg de B12, ou
  • tomar um suplemento semanal de B12 que forneça pelo menos 2000 µg.

O que a deficiência de B12 pode provocar?

A deficiência clínica de B12 pode provocar anemia ou danos no sistema nervoso. A maioria dos veganos consome B12 suficiente para evitar deficiência clínica. Dois subgrupos de veganos encontram-se em particular risco de deficiência: veganos de longa data que evitam alimentos enriquecidos (tais como crudívoros ou veganos macrobióticos) e bebés em fase de amamentação de mães veganas cuja ingestão de B12 seja reduzida.

Em adultos, os sintomas típicos de deficiência incluem falta de energia, uma sensação de formigamento, dormência, sensibilidade reduzida à dor ou pressão, visão nublada, maneira de andar anormal, língua irritada, fraca memória, confusão, alucinações e mudanças de personalidade. Muitas vezes, estes sintomas desenvolvem-se gradualmente num espaço de vários meses, podendo levar anos antes de serem reconhecidos como tratando-se de sintomas de deficiência de B12, sendo normalmente reversíveis com a administração de B12.

Para ser verdadeiramente saudável e ética, uma dieta tem de ser adequada não apenas para os indivíduos isolados, mas também permitir que todos os 6 mil milhões de pessoas tenham boa saúde e uma coexistência sustentável com as muitas outras espécies que formam esta “terra viva”. Deste ponto de vista, a adaptação natural para a maioria dos humanos (possivelmente todos) no mundo moderno é uma dieta vegana. Não existe nada de natural na abominável criação intensiva de animais dos dias de hoje nem na sua tentativa de reduzir seres vivos e sencientes a simples máquinas. Ao escolher usar alimentos enriquecidos ou suplementos de B12, os veganos estão a obter vitamina B12 da mesma fonte que todos os outros animais no planeta — microorganismos — sem causar sofrimento a nenhum ser senciente nem causar danos ambientais.

Veganos podem ingerir a quantidade ideal de B12 sem consumir proteína animal?

Os veganos que consomem quantidades adequadas de alimentos enriquecidos ou suplementos de B12 são muito menos propensos a sofrer de deficiência de B12 do que um onívoro típico. O Instituto de Medicina dos EUA deixa isso bem claro ao estabelecer as doses recomendadas de B12. “Dado que 10 a 30% das pessoas mais idosas poderão ser incapazes de absorver B12 de fontes naturais, é aconselhável que as pessoas com idade superior a 50 anos preencham a dose diária recomendada de B12 principalmente através da ingestão de alimentos enriquecidos com B12 ou suplementos de B12.” Os veganos devem seguir este conselho, para seu próprio benefício e para benefício dos animais. A vitamina B12 não será um problema para veganos bem informados. Consulte sempre um médico para obter as informações mais atualizadas e específicas para o seu quadro clínico.

(Este artigo é uma carta aberta compilada por Stephen Walsh e subscrita por diversos profissionais de saúde e organizações veganas. Tradução: Muda o Mundo – https://www.mudaomundo.org/nutricao/vit_b12/veganos_b12)

2. Sou de outro Estado do Brasil, consigo comprar produtos veganos pela internet?

Sim, claro. A Vegasite existe há um ano e meio, e tem essa missão de levar acessibilidade para promover o veganismo saudável e sustentável. Temos centenas de produtos que podem ser comprados online em nossa loja e enviamos para o Brasil inteiro por meio dos Correios e transportadoras parceiras. Sempre tentamos negociar os preços mais baixos e justos para que você possa comprar direto da sua casa e receber o mais rápido possível.

3. Cremes dentais normais não são veganos?

Infelizmente NÃO, nem fio dental e outros acessórios de higiene bucal. Assim como explicamos sobre os cosméticos, os produtos de higiene bucal são testados para resguardar as empresas juridicamente porém são extremamente cruéis com os animais. Por exemplo, os fios dentais são testados na pele de coelhos para que seja verificado a resistência e durabilidade do produto. Felizmente existem marcas novas não testadas em animais, dessas já testamos e usamos a Suavetex (que tem 2 submarcas: Contente e  Orgânico) e a Boni Natural Brasil.

Se você já usou outro creme dental ou produto de higiene oral, por favor, deixe um comentário. Esse é uma das categorias mais procuradas e sempre estamos buscando mais marcas.

4. Veganismo, ética e respeito animal. Como isso pode ser possível?

A filosofia vegan é um estilo de vida que procura eliminar, na medida do possível e praticável, todas os tipos de exploração e crueldade contra animais. Seja na alimentação, no vestuário, na estética ou para qualquer outra finalidade. Quando se trata de indústria, tudo é feito visando um único objetivo: lucro! Assim, as vidas dos animais acabam se transformando em máquinas.

Se você pensa que o motivo pelo qual as pessoas param de comer carne é simplesmente pela crueldade no abate, você está enganado. Hormônios são injetados para apressar o crescimento, antibióticos são usados sem controle para conter doenças em um ambiente caótico.

Os animais são mantidos em lugares excessivamente apertados e na maioria das vezes eles nem veem a luz do dia. As fêmeas ainda são as que mais sofrem pois elas podem gerar filhotes, leite e ovos. Milhões de animais sofrem diariamente as custas de um ambiente desumano que suga deles tudo o que for preciso para alguns dias, meses, ou anos depois eles irem para o abate.

E não são apenas os animais que sofrem com essa exploração, milhares de doenças poderiam ser evitadas ou melhor controladas se não houvesse o consumo de carne. Ou seja, você também é prejudicado pela indústria. É você que come o frango, a vitela, a costela, o bacon, o presunto, o queijo, o ovo. A soma desses hormônios, antibióticos e o stress que o animal traz vai para dentro do seu corpo.

Vamos repensar os nossos hábitos e tudo o que consumimos? Assista o nosso primeiro vídeo no Youtube com todas as perguntas e respostas completa. Clique aqui e confira agora mesmo essas e outras reflexões sobre o veganismo!

Vegano Respondendo Perguntas sobre o Veganismo – Parte 1

Recentemente perguntamos para nossos amigxs quais eram as dúvidas sobre o veganismo, para a nossa surpresa surgiram dezenas de perguntas. Foi então que o nosso fundador, Rick Campos, decidiu abrir a temporada como Youtuber.

Não sabíamos qual formato seria, foi então que decidimos apresentar nosso rosto, interagir com amigxs e visitantes e deixar que tudo fluísse naturalmente. Para o primeiro vídeo foram selecionadas somente 9 perguntas, e mesmo assim foram mais de dez minutos de conteúdo.

Algumas perguntas são muito técnicas e envolvem profissionais da área da saúde, com certeza convidaremos em breve algumas pessoas para gravar conosco. As perguntas selecionadas foram:

1. Usar ou não usar canudinho de plástico?

No Brasil, o consumo de plástico chega a 10 Kg por ano/por pessoa. Na Europa e Japão, 50 Kg por ano/por pessoa. Nos Estados Unidos o número é de 70 Kg por ano/por pessoa. Mas o pior é que, embora a maioria das garrafas usadas para refrigerantes e água sejam feitas de tereftalato de polietileno (Pet),  altamente reciclável, as seis principais empresas de bebidas no mundo usam apenas 6,6% de Pet reciclado em seus produtos. Infelizmente, nenhuma  pretende usar 100% de reciclagem do plástico em sua produção global (Greenpeace).

Devemos separar o lixo reciclável e descartar o plásticos limpos para que ele possa ser reaproveitado. Pesquise os Ecopontos em seu bairro ou cidade para fazer o descarte apropriado de certos tipos de materiais. E lembre-se, sempre que uma bebida vier em embalagem Tetra Pack com canudinho de plástico, ao descartar coloque o canudinho dentro da embalagem para que seja facilmente reciclado posteriormente.

2. Podemos consumir produtos com traços de ovos ou leite?

Uma das polêmicas mais comuns no meio vegano de hoje são os tais dos traços de matérias-primas de origem animal em alimentos considerados vegetarianos (aqueles que não possuem nenhum ingrediente propriamente dito vindo de animais). Provavelmente você já presenciou ou participou de debates sobre o assunto: consumir ou não consumir alimentos cujo rótulo aponta que “podem conter” traços?

Isso trata-se de uma obrigatoriedade, de acordo com a norma da ANVISA RDC 26/2015, a indústria alimentícia deixar explícito no rótulo que aquele produto “pode conter” determinados pseudocomponentes (a máquina usada para a fabricação desse produto já fabricou outros produtos com esses ingredientes e mesmo higienizada, lavada e esterilizada ela pode conter resíduos minúsculos, mas altamente prejudiciais para os alérgicos). Isso se deve ao motivo de que estes são alergênicos, ou seja, fazem mal a pessoas com alergia a uma ou mais daquelas matérias-primas.

A indústria de modo geral usa muitas siglas e nomenclaturas que nós desconhecemos, muitas vezes até mesmo em inglês, algumas são substancias com origem animal, neste caso, com esta nova norma, eles são obrigados a escrever “contem ovos, leite,…”, sem poder esconder do cliente ou burlar usando siglas desconhecidas. Chega de nomes complicados para nos enrolar, certo?

3. E as proteínas?

Essa pergunta dispensa respostas, cada alimento possui sua própria qualidade, seja proteínas, nutrientes e/ou vitaminas. O importante aqui é pensar na substituição. Que nada mais é do que trocar a proteína da carne animal, pelas proteínas dos vegetais. Por exemplo, 100g de soja tem 34g de proteína, 100g de amêndoas tem 21,1g de proteínas e por aí vai. A dica é apostar na diversidade de vegetais e evitar o excesso de apenas um. Assim você mantêm uma alimentação saudável e equilibrada.

Mas fique tranquilx que o veganismo é a melhor opção para você, para os animais e para o planeta, sem contar que a maioria dos vegetais têm abundância em proteínas e vitaminas. Olha essa tabela!

E onde estão as proteínas?

(quantidade de proteínas a cada 100gr de alimento)

4. Qual é o percentual de clientes veganos que compram na Vegasite?

Pasmem, mas apenas 20% dos nossos clientes são veganos, o restante são pessoas buscando uma alimentação correta e mais saudável e uma menor parte de pessoas alérgicas a determinado ingrediente e buscam na alimentação vegana a solução para os seus problemas.

O importante é que de um modo ou de outro, o veganismo está em alta e veio para ficar. E nós  fazemos questão de mostrar que é sim, possível, ter uma alimentação 100% vegana de forma fácil, barata, gostosa e muito nutritiva.

5. Quais são as principais marcas de cosméticos veganos?

Esse é um assunto muito delicado, mas que devemos ter cuidado ao indicar uma ou outra marca. Digo isso porque para um cosmético ser considerado vegano, além de não poder conter nenhum ingrediente de origem animal, como o mel e colágeno hidrolisado (proveniente do osso dos bovinos), não deve ser testado em animais. A maioria das marcas brasileiras não testam diretamente em laboratórios, mas os fornecedores delas testam determinados ingredientes, o que dá na mesma.

A Natura já tinha dito há muito anos que não testava em animais, mas com o caso do Instituto Royal em 2013, onde ativistas invadiram a instituição que testava cosméticos em cachorros da raça BEAGLE, foram também encontrados documentos com o nome da Natura. Na época a marca disse que era cliente apenas da unidade de Porto Alegre e que faziam teste in vitro, que nada mais é do células de tumores humanos e pele de roedores.

Desconfiem sempre das grandes marcas, elas realizam testes para se protegerem de processos jurídicos se resguardando, caso algum cliente tenha problemas com o uso de seus produtos. Foi a forma mais barata, porém muito cruel que encontraram de se resguardar e ter lucro. Por isso, indicar uma marca de cosméticos, higiene ou de beleza envolve muita responsabilidade de pesquisar e conhecer a empresa, então só indicamos poucas marcas, como a: Cativa Natureza, Suavetex/ Contente, Face It, Lola Cosmetics, Boni Natural e a AnaZoe.

Quer ver o vídeo completo com todas as perguntas e respostas? Clique aqui e assista agora mesmo!

As 4 perguntas e respostas finais foram publicadas em uma nova postagem com a parte 2. Clique aqui para ler!

5 receitas veganas para agradar as crianças

Quem tem filhos sabe muito bem: não é nada fácil agradar ao paladar infantil. Receitas veganas, então, passam longe da preferência dos pequenos. Entretanto, é possível driblar essa dificuldade com o consumo de vegetais por parte das crianças e estimular uma alimentação livre de crueldade.

Se os pais já adotam o estilo de vida vegano ou vegetariano há tempos, provavelmente seus filhos já estarão mais habituados aos vegetais. Mas se a família decidiu mudar os hábitos alimentares recentemente, as receitas que reunimos e apresentamos abaixo são estímulos deliciosos para o paladar das crianças.

Siga em frente e confira uma receita mais deliciosa que a outra para os pequenos veganos ou vegetarianos!

Cookie vegano de chocolate e castanhas

Os cookies são deliciosos e é difícil encontrar um criança que recuse as bolachinhas de chocolate. A receita da culinarista Teresa Laury do site Vita Nutrire leva aveia, cacau em pó e amendoim. Fica uma delícia!

O rendimento é de 8 cookies pequenos e você pode substituir o amendoim por outra castanha. Clique aqui e confira a receita completa.

Bolo de cenoura integral com cobertura de chocolate

Com um bolo de cenoura você não erra na hora de agradar o paladar das crianças. A receita do site Vita Nutrire é fofinho, com açúcar na medida certa e muito saudável. Leva farinha integral, cenouras, açúcar demerara, cacau em pó e pitadas de canela, cravo, noz moscada e gengibre. Rende 8 porções e você pode conferir a receita completa aqui.

Lasanha Vegana

Lasanha é o prato preferido de 11 entre 10 crianças. No domingo, se não tiver macarronada tem de ter lasanha, não é mesmo? A opção vegana que encontramos no canal da Teresa Laury no YouTube é feita com abobrinha, massa sem ovos e queijo vegetal.

É muito fácil de fazer, confira:

Maçã com aveia e canela

Maçã e canela combinam muito bem no café da manhã. É uma opção saudável para as crianças antes de irem para a escola. Aposte nessa opção vegana para os pequenos em vez de comprar produtos industrializados, saturados de gordura e sódio.

O doce da maçã e as fibras da aveia proporcionam uma opção saudável, agradável e sem complicações. Confira a receita no site Estilo Vegan.

Salgadinhos da Zanquetta congelados

A criançada adora salgadinhos e para cada delícia existe uma opção vegana: bolinhas de queijo veganas, coxinha de jaca verde, hambúrguer de lentilha, entre outros.

Os salgadinhos da Zanquetta são 100% vegetais, sem lactose e sem colesterol, dedicado aos vegetarianos, veganos, intolerantes à lactose e pessoas interessadas em reduzir o consumo de carne. São perfeitos para uma festa infantil vegana e vão do freezer direto para o forno ou frigideira.

Quer conhecer outras opções veganas para incluir no seu cardápio e no das crianças? Então não deixe de visitar nossa loja virtual e montar o seu carrinho de compras!

Importante: a entrega de produtos congelados é realizada apenas em algumas regiões da capital, litoral e interior de São Paulo. Os demais itens são entregues via transportadora, PAC ou Sedex. Consulte o seu CEP ou envie um e-mail para: atendimento@vegasite.com.br para informações adicionais.

Foto da capa: Pixabay.

Conheça 4 produtos sem soja para incluir na sua alimentação

Uma grande parte da população sofre com os mais diversos tipos de alergias alimentares. Segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), em torno de 8% das crianças e 5% dos adultos tem o problema no país, e entre os produtos mais alergênicos, a soja de destaca. Encontrar produtos sem soja, no entanto, é um grande desafio.

Óleo, shoyu, papinhas, sucos e temperos tem na soja um dos ingredientes principais para sua fabricação. Mas além disso, ela aparece em embalagens na forma de traços que podem desencadear reações alérgicas a quem não tem tolerância.

Pensando em quem tem alergia à soja, separamos 4 opções de produtos em que o grão não aparece na composição e nem como traço. Siga em frente e confira as delícias!

1. Bolinhos de falafel

O falafel é uma iguaria de origem árabe que leva grão-de-bico e uma mistura equilibrada e saborosa de diversos temperos. Os bolinhos de falafel da Gerônimo Foods vêm na caixinha de 400g com 9 unidades.

Os bolinhos são feitos de grão de bico, fava branca, cebola, ervas aromáticas, sal marinho, alho, especiarias, pimenta dedo de moça e bicarbonato de sódio. Não contém glúten ou ingredientes de origem animal.

 

Modo de preparo: no forno pré-aquecido a 220ºC, colocar em uma assadeira com óleo vegetal (que não seja de soja, claro) ou azeite. Assar por 8 minutos de cada lado. Se quiser, pode fritar imersos em óleo quente até dourar completamente.

2. Requeijão vegano

O requeijão é perfeito para acompanhar pães e biscoitos no café da manhã ou no lanche da tarde. Também pode ser usado nas mais diversas receitas. O RequeVeg de Cheddar da Vida Veg é perfeito para quem não abre mão do sabor nas receitas veganas.

Não leva soja, lactose, colesterol e gorduras trans na sua composição. Os ingredientes principais são água, óleo de coco, amido modificado de mandioca, proteína de ervilha, sal do himalaia, condimento sabor requeijão, aroma natural vegano sabor cheddar e corante natural de urucum.

3. Hambúrguer de berinjela

A berinjela é uma clássica substituta da carne nas receitas veganas. O Hambúrguer de Berinjela com Castanha de Caju e Gergelim é suculento e pode ser servido entre fatias de pão e outros ingredientes ou em um prato com salada ou massa. O resultado é delicioso e equilibrado. A castanha de caju dá um toque gourmet à receita.

O hambúrguer pode ser preparado no forno (na assadeira sem descongelar por 20 minutos). Vire os hambúrgueres na metade do tempo. Na frigideira, doure os hambúrgueres por 3 minutos cada lado.

4. Kibe de abóbora

O kibe é uma delícia de origem árabe que conquistou o paladar brasileiro. A opção vegana da Gerônimo Foods leva abóbora e aveia em flocos como ingredientes principais. Ele é delicioso para incrementar qualquer refeição de maneira equilibrada.

O Kibe de Abóbora com Aveia em Flocos vem na caixinha de 400g com 8 unidades de com 50g cada. Pode ser preparado no forno (220°C) por aproximadamente 14 minutos para cada lado ou na frigideira até dourar (aproximadamente 8 minutos de cada lado).

Encontrar alimentos livres de soja é um grande desafio. Grande parte dos produtos veganos levam o grão em sua composição, mas nas lojas especializadas, como a VegaSite, é possível encontrar opções para quem tem essa ou outras restrições alimentares.

O que você achou deste conteúdo? Que tal compartilhar nas suas redes sociais para que outras pessoas conheçam essas opções? E se quiser ver outros produtos veganos, acesse nossa loja virtual.

Foto da capa: Pixabay.

Doces veganos: 5 opções de dar água na boca!

Os doces fazem a alegria de crianças e adultos mundo afora. Por acaso você conhece alguma pessoa que não goste de chocolate, por exemplo? E para quem se preocupa com a vida dos animais, existem opções de doces veganos. Ou seja, você pode aproveitar o sabor e ficar com a consciência tranquila ao não estimular a crueldade.

A principal mudança nas receitas dessas guloseimas é a substituição dos ingredientes de origem animal como leite, manteiga e ovos por produtos de origem vegetal. Confira, abaixo, uma pequena seleção de delícias livres de crueldade.

1. Leite condensado de coco

O leite condensado é uma paixão nacional e um dos ingredientes principais do brigadeiro. A opção vegana leCoco da Natural Science não leva nenhum tipo de produto de origem animal. Além disso, não contém glúten em sua formulação. O ingrediente principal desse leite condensado vegano é o coco produzido no Brasil.

2. Pão de melado com brigadeiro

Os chocólatras de plantão vão adorar essa opção: um pão recheado com brigadeiro de chocolate belga. O Pão de Melado com Brigadeiro Vovó Vegana é produzido por uma empresa familiar e 100% vegana.

O melado da receita substitui o mel, que tem origem na exploração da colmeias de abelhas – o que não é nada legal para quem se preocupa com o bem-estar de todos e quaisquer animais.

3. Brownie

O Brownie da Libre Alimentos não contém glúten e não utiliza qualquer ingrediente de origem animal em sua composição. Esse brownie vegano é feito com batata doce, chocolate 70% cacau, chocolate em pó 50% cacau e adoçado com xilitol, ou seja, não tem adição de açúcar. Uma ótima pedida para a sobremesa para a hora do lanche.

 

4. Creme de chocolate

O creme de chocolate é uma verdadeira sensação na mesa do café do manhã ou na hora do lanche. O creme Cacaufit La Pianezza é feito à base de biomassa de banana verde, avelã, cacau em pó, manteiga de cacau e adoçado com xylitol.

A biomassa de banana verde confere suavidade e leveza ao produto sem aumentar o valor calórico (apenas 42 calorias por porção). Além disso, é livre de glúten e lactose.

5. Doce de leite

O doce de leite vegano da Natural Science é feito à base de coco e não contém nenhum ingrediente de origem animal. o produto pode ser consumido puro, em receitas ou junto com uma deliciosa fatia de queijo vegano, que tal? O leCoco Doce de Leite não contém lactose, glúten ou proteína do leite.

Existem opções veganas para todos os tipos de paladares e preferências culinárias. Desde pratos salgados até os doces, como você viu neste texto.

Hoje é muito mais fácil aderir a uma dieta sem carne e até mesmo adotar o estilo de vida vegano, que visa não estimular qualquer tipo de exploração animal – seja na indústria da proteína de carne ou na indústria da moda e cosméticos.

Pesquise e com certeza encontrará opções livres de crueldade, como produtos de beleza, pratos tradicionais à base de ingredientes vegetais e até mesmo doces veganos para a sobremesa.

Quer conhecer outras opções de doces veganos? Então não deixe de visitar nossa loja virtual e montar o seu carrinho de compras!

Foto da capa: Pixabay.

Saiba como usar diferentes tipos de queijos veganos

O queijo é um alimento difícil de cortar do cardápio. Isso porque ele é presente no dia a dia nas mais diversas ocasiões: no lanche da tarde, na pizza, no fondue. Mas o que fazer se você adota uma dieta vegana? Pois saiba que existem ótimas opções de queijos veganos à base de vegetais e nenhum ingrediente de origem animal.

Existem opções que reproduzem os diversos tipos de queijos tradicionais, feitos de leite. Mussarela, prato, provolone, cheddar – todos eles têm opções veganas. Esse produtos são isentos de lactose, colesterol, conservante e corantes artificiais.

Os principais ingredientes utilizados para a fabricação dos queijos veganos são amido de batata, óleo vegetal de palma, concentrado de cenoura e abóbora e sal marinho hipossódico.

Podem ser consumidor por pessoas com restrições ao açúcar, lactose, gordura animal e muitos outros ingredientes alergênicos. Confira, na lista abaixo, algumas dicas de receitas com essas variedades de queijos veganos e onde encontrá-los.

 

Provolone

O provolone é ótimo para petiscar ou pode ser usado em sanduíches frios ou quentes.

Uma dica é usá-lo como ingrediente em uma deliciosas feijoada vegetariana. O provolone vegano VeganCheese, da Superbom, é livre de glúten e tem baixo teor de sódio. 

Cheddar

O queijo cheddar é um clássico ingrediente dos sanduíches, mas também combina com receitas mais elaboradas. O queijo cheddar VeganCheese pode ser usado nessa receita de couve-flor e brócolis gratinados, por exemplo.

Prato

O queijo prato VeganCheese é 100% vegano, sem glúten, sem lactose, sem colesterol, sem nenhum derivado de origem animal e sem nenhum tipo de conservante ou corante artificial.

Ele é feito com amido de batata, óleo vegetal de palma, concentrados de cenoura, maçã e abóbora e sal hipossódico. Use essa delícia nessa receita de sanduíche de banana e queijo.

Mussarela

Talvez o queijo mais tradicional no Brasil, a mussarela é usada em diversas receitas. A opção vegana da Vida Veg é feita de castanha de caju, rico em  lipídeos e proteínas, além de conter ômega-9 (ácido oleico), que promove uma boa saúde cardiovascular. Não contém glúten.

Nossa dica de uso é neste escondidinho de queijo vegetariano.


Minas Frescal

O queijo Minas Frescal é produzido em diversas partes do Brasil. Ele é usado em sanduíches ou acompanhado de doces, como o doce de leite.

A opção vegana dessa delícia, o Queijo Vida Veg Minas Frescal, é feito de castanha de caju e é rico em fibras e vitaminas B6 e B12. A dica de uso é nessa receita de torta de queijo vegetariana.

Viu só como é fácil substituir o queijo feito de leite por ótimas opções veganas do produto? Existem diversos produtos que não levam ingredientes de origem animal disponíveis no mercado, e as variedades de queijos veganos são alguns deles. Pesquise receitas na internet e aproveite esses produtos que, além de saborosos, não estimulam a crueldade.

O que você achou deste conteúdo? Que tal compartilhar nas suas redes sociais para que outras pessoas conheçam essas opções? Confira, também, todos os laticínios veganos disponíveis em nossa loja virtual!

Foto da capa: Pixabay.

Bem-estar sem crueldade: 5 dicas de produtos de beleza veganos

O veganismo é um estilo de vida que ganha cada vez mais adeptos no Brasil e no mundo. Ao contrário do que muita gente pensa, essa filosofia de vida não visa apenas a restrição de carne da dieta, mas o tratamento ético dos animais nos mais diversos processos de produção. Na indústria de cosméticos, por exemplo, produtos de beleza veganos ainda não são muito comuns.

Essas empresas podem ser grandes vilãs da vida e do bem-estar animal. Por isso, o vegano tem de se atentar muito bem à origem dos produtos que usa no dia a dia e só comprar aqueles que são comprovadamente cruelty free.

O que devemos observar nos produtos de beleza veganos?

É muito difícil distinguir um produto realmente vegano. Muitas vezes, as fórmulas não incluem de maneira clara a identificação do ingredientes de origem animal. Esses produtos podem ser indicados por meio de termos técnicos que passam longe do conhecimento do público leigo.

Outras vezes, os fabricantes afirmam que seus produtos não passaram por teste em animais, mas omitem que na verdade, os testes só não ocorreram em território nacional. Seja no Brasil ou em qualquer outro país, crueldade é crueldade, não é mesmo?

A maneira mais eficiente de fugir de produtos não veganos é adquirir apenas aqueles que exibem um certificado que atesta que a fórmula é isenta de produtos de origem animal e de testes em seres sencientes. Pesquise a credibilidade desses selos, obviamente.

Os certificadores mais conhecidos são a Sociedade Vegetariana Brasileira, a Organização Veganismo Brasil e The Vegan Society Trademark (para produtos de exportação), entre outros.

5 dicas de produtos de beleza veganos

Confira, abaixo, algumas sugestões de produtos que não usaram a testagem em animais durante o seu desenvolvimento.

1. Creme de Pentear Meu Cacho Minha Vida Lola Cosmetics

A Lola Cosmetics é uma empresa brasileira e vegana. Ela adotou a filosofia já há algum tempo, por meio do ajuste de composição de todos os seus produtos. A linha “Meu Cacho Minha Vida” nasceu logo depois da veganização da marca.

A Lola exibe em seus frascos os selinhos que sinalizam que os produtos não contém derivados de animais e são cruelty free.

 

 

O creme de pentear fornece uma finalização suave, com deslize e desembaraço fácil dos fios. O resultado são a emoliência e a definição dos cachos. Além disso, o produto sela as cutículas para que os cachos cresçam com brilho e hidratados.

2. Creme Alisante Vintage Girls

O creme alisante Vintage Girls é indicado para a redução de volume e reestruturação e alinhamento dos fios. Além disso, proporciona tratamento dos fios por meio de ativos hidratantes.

Sua fórmula é livre de formol e permite um resultado impecável com brilho intenso e nutrição profunda para um cabelo disciplinado, brilhante e sem frizz.

3. Máscara restauradora Tarja Preta

Máscara restauradora Tarja Preta é indicada para tratamento intensivo de cabelos danificados por processos químicos e mecânicos. Ou seja, que usa chapinhas e baby liss frequentemente tem na máscara restauradora uma aliada na hora de recuperar os fios danificados e deprimidos.

4. Sabonete Mousse de Chocolate com Argila Branca

A Boutique do Corpo é uma empresa que nasceu para atender a demanda de cosméticos biossustentáveis. Ela tem a característica vegan por não testar os produtos em animais ou usar ingredientes de origem animal em suas fórmulas.

O sabonete Mousse de Chocolate com Argila Branca é um verdadeiro tratamento de beleza, pois a argila branca possui diversos benefícios para a pele, como a absorção de toxinas e impurezas; desintoxicação facial e corporal; controle da oleosidade; suavização da pele, além de ter uma fragrância deliciosa.

5. Repelente natural Bio Repel

O Bio Repel é um repelente e hidratante natural da Boutique do Corpo. O produto é feito com óleos essenciais de neem e citronela. Não contém álcool, parabenos, fragrância artificial ou corantes.

 

 

 

 

O que você achou deste conteúdo? Que tal compartilhá-lo com seus amigos pelas redes sociais? Se você quiser outros produtos veganos, não deixe de acessar a nossa loja virtual!

Como o veganismo colabora com a questão da água?

A sustentabilidade é um dos temas mais atuais e urgentes com o qual temos contato no dia a dia. A questão da água assume uma das principais frentes de discussão sobre as necessidades de preservação dos recursos naturais.

Na esteira do Dia Mundial da Água (22 de março), temos de voltar o pensamento para esse recurso, cuja preservação é o desafio a ser enfrentado por todos os países. E uma das principais causas do grande consumo e desperdício de água é a alimentação.

E não pense que a água se esvai ao irrigar vegetais que servem de alimentação – o principal foco de alto consumo de água está ligado à pecuária.

Pensando em refletir sobre a questão da água e como o veganismo ajuda a diminuir a pegada hídrica, preparamos este texto com algumas informações importantes que podem ajudar qualquer pessoas a pensar melhor sobre os seus hábitos de consumo. Siga em frente!

A questão da água e seus números alarmantes

O veganismo é um estilo de vida no qual os adeptos optam por não comer carne por questões que vão muito além da consciência ambiental. O dever ético de contribuir para o fim da crueldade com animais, por compaixão e justiça, é uma causa que geralmente ocupa em primeiro lugar o pensamento do vegano.

Entretanto, o veganismo não é alheio aos esforços de preservação ambiental, muito pelo contrário. A vida de qualquer animal, entre eles o ser humano, só é possível em um ambiente natural que seja preservado e os recursos sejam explorados de maneira a não se extinguirem.

Nesse sentido, não comer carne é uma grande contribuição quando tratamos do tema da água. Isso porque, segundo a organização Water Footprint, a produção de um quilo de carne bovina exige 15 mil litros de água. Esse número pode variar para mais ou para menos de acordo com o país.

Um relatório produzido pela mesma organização aponta que, enquanto isso, a escassez de água afeta pelo menos 2,7 bilhões de pessoas no mundo em pelo menos um mês a cada ano.

O documentário “Cowspiracy”, disponível em streaming, apresenta dados de diversos estudos que demonstram números alarmantes quando tratamos apenas a questão da água.

Por exemplo:

  • São necessários 3,7 mil litros de água para a produção de 3,7 litros de leite;
  • São necessários 3,4 mil litros de água para 450 gramas de queijo;
  • São necessários 1,8 mil litros de água para produzir 450 gramas de queijo;
  • O consumo de água em plantações exclusivas para alimentação de animais consome até 33% da água doce do planeta,
  • Nos Estados Unidos, o cultivo de alimentos para animais consome 56% da água.

Se levarmos todos os números em consideração e fazermos uma média do consumo de carne por um cidadão ocidental, podemos afirmar que um vegano poupa, a cada dia, mais de mil litros de água.

Contaminação da água

A contaminação da água por causa da criação de animais se dá pelo uso de fertilizantes e agrotóxicos nas plantações voltadas à produção de ração.

Além do efeito perverso da monocultura (ou seja, grandes áreas plantadas com apena um tipo de espécie em detrimento de outras), que não produz alimentos para seres humanos enquanto uma grande parte da população mundial passa fome, o cultivo causa desequilíbrios ambientais que resultam em insetos mais resistentes que exigem doses cada vez maiores de agrotóxicos.

Esses elementos químicos acabam na água por meio da penetração no solo até o lençol freático, além do transporte para os rios e córregos pela chuva.

Além do veganismo, como economizar água?

A dieta vegana é uma forma eficaz de contribuir para a diminuição do consumo de água. Entretanto, existem atitudes no dia a dia que somam forças para esse objetivo. Confira algumas delas:

  • Fechar a torneira ao escovar os dentes;
  • Utilizar vassoura e não a mangueira para limpar o quintal e calçada;
  • Reutilizar a água da chuva e da máquina de lavar;
  • Livrar-se de vazamentos,
  • Banhos mais rápidos.

A preocupação com a sustentabilidade e com a questão da água tem tudo a ver com o veganismo. Afinal, a manutenção da vida é o objetivo principal, não é mesmo? A consciência ética permite a construção de hábitos mais saudáveis para o planeta e todos os seres vivos ganham com isso.

Viu como o hábito vegano é uma ótima maneira de ajudar o planeta? E nossa missão é deixar essa causa mais fácil e prazerosa por meio da oferta de diversos produtos sem nenhum ingrediente de origem animal. Confira todos na nossa loja virtual!

Imagem da capa: Pixabay

Veganismo para crianças e adolescentes: o que você precisa saber

Geralmente, escolhemos adotar o estilo de vida vegano depois de adultos. Entretanto, o hábito de consumir alimentos apenas de origem vegetal pode começar na infância ou na adolescência. O veganismo para crianças ou jovens, entretanto, merece cuidados diferenciados em relação a tipos de nutrientes ingeridos, em prol de um desenvolvimento saudável e completo.

Há muitas controvérsias em relação a essa filosofia de vida quando adotada para os pequenos. Algumas pessoas acreditam que seus filhos podem ter retardos ou doenças se não comerem proteínas de origem animal –  o que podemos dizer que é um mito quando procuramos informações embasados por especialistas.

A questão é que os adolescentes têm todo o direito de adotar essa filosofia para a sua vida e os pais que não comem carne têm o direito de passar essa concepção ética para seus pequenos, em busca de um mundo mais sustentável, justo e sem crueldades.

Confira, neste artigo, tudo o que você precisa saber sobre o veganismo na infância e na adolescência.

A partir de qual idade a criança pode se tornar vegana?

Se os pais já são veganos, a criança vai seguir o padrão de alimentação desde a introdução alimentar, logo depois do desmame. Nessa hora, é fundamental o acompanhamento médico para que seja estabelecida uma dieta equilibrada para a família. Aliás, desde a gestação esse acompanhamento é fundamental.

O médico vegetariano e especialista em nutrologia Eric Slywitch, em seu livro “Alimentação sem Carne – Guia Prático”, afirma que alguma fonte de proteína de origem animal é necessária para a criança até um ano de idade. Isso porque a criança não consegue produzir sozinha a taurina, fundamental para o seu desenvolvimento.

Mas não se preocupe! Essa proteína é encontrada no próprio leite materno.

O médico, em seu livro, diz que uma dieta vegetariana só traz problemas para a criança quando a substituição alimentar é feita de forma inadequada. Por isso, é fundamental investir em uma grande variedade de alimentos para consumo no dia a dia, sempre com orientação nutricional.

Cuidados nas substituições

A substituição da carne na alimentação quando não é bem feita pode ocasionar problemas no desenvolvimento do indivíduo. Para saber quais são os nutrientes necessários para a criança ou adolescente é fundamental a consulta com um especialista.

Há nutriente que sabemos que são fundamentais e não podem faltar à mesa.

O ferro, por exemplo, é importantíssimo para o desenvolvimento na primeira e segunda décadas de vida. Sua falta pode provocar anemia e trazer problemas como retardo do crescimento, comprometimento da capacidade de aprendizagem (desenvolvimento cognitivo), da coordenação motora e da linguagem, além de efeitos comportamentais, como a falta de atenção e fadiga.

Por isso, esse é um dos principais nutrientes da dieta e deve ser buscado em vegetais verde-escuros e leguminosas, como o feijão.

Proteínas, como sabemos, são importantes para o desenvolvimento muscular e podem ser encontradas em cereais, leguminosas, oleaginosas e no tofu.

As vitaminas são elementos fundamentais para uma dieta saudável. A vitamina A pode ser encontrada em cenouras, brócolis, batata-doce, couve, espinafre, abóbora, ervilha e beterraba.

As vitaminas do complexo B podem ser encontradas em batatas, bananas, lentilhas e pimenta. Já a vitamina D, importante para os ossos e dentes, é produzida pelo organismo por meio da exposição ao sol. Cogumelos também são fontes excelentes dessa vitamina.

As frutas são essenciais na alimentação vegana. Elas são fontes de potássio, ferro e fibras, além de açúcares naturais, que fornecem energia.

Dicas para estimular o consumo de vegetais nas crianças

Um dos maiores problemas para os pais que querem estimular nos filhos a adoção de uma dieta vegana é a concorrência com os estímulos externos. Os adolescentes podem ser mais conscientes e tomarem a decisão de abolir a crueldade do prato por eles mesmos, mas as crianças podem não seguir essa lógica.

Entretanto, há algumas atitudes que podem ser tomadas que auxiliam na tarefa de estimular o gosto pelos vegetais – vamos a elas:

  • Leve as crianças à feira para que descubram um mundo de cores e sabores;
  • Capriche na apresentação das comidinhas – crianças são curiosas e se atraem facilmente;
  • Dê nome divertido aos pratos, pois é uma maneira lúdica de estimular o consumo;
  • Inclua verduras e legumes no lanche, para os vegetais fazerem parte de todos os momentos,
  • Respeite os gostos da criança – forçar a barra pode ser traumático e ter o efeito inverso.

Veganismo não é apenas dieta, e sim uma filosofia de vida

Por fim, o importante é entender que o veganismo não é apenas uma moda passageira ou uma forma de cuidar melhor da saúde. Na verdade, a abolição do consumo de carne é uma filosofia de vida, entendida como uma posição ética perante a crueldade da indústria da carne no mundo.

O veganismo para crianças e adolescentes tem de partir desse pressuposto. Os filhos mais velhos podem entender melhor essa situação se expostos na escola a discussões sobre o tema. Há inúmeros casos de adolescentes que se tornam os primeiro veganos da família.

Já as crianças precisam ser estimuladas ao mesmo tempo em que esse temas “pesados” precisam ser abordados de forma mais lúdica. O ideal é pesquisar bastante e contar com auxílio profissional para fazer a transição.

O que você achou deste conteúdo? Quer estimular seus filhos a adotarem uma dieta vegana? Na nossa loja virtual há inúmeros produtos que podem ajudar nessa tarefa – dê uma passadinha por lá!

Foto da capa: Kelly Sikkema on Unsplash

Conheça 6 celebridades veganas e vegetarianas!

Seja por afinidade à causa animal ou até mesmo por uma escolha de vida mais saudável, diversas celebridades veganas ajudam a difundir essa visão de mundo. Desde a alimentação, seu estilo de vestir e até mesmo em relação aos produtos de beleza que usam — essas pessoas têm muito poder de influência.

Digamos que os movimentos vegano e vegetariano recebem uma ajudinha extra sempre que esse pessoal aparece na mídia. Isso porque eles quase sempre tocam no assunto e deixam claro sua opção pelo veganismo ou vegetarianismo.

Que tal conhecer algumas celebridades veganas e vegetarianas? Vamos lá!

1. Alanis Morissette

Sim, a cantora e compositora canadense Alanis Morissette, de 44 anos, é adepta ao estilo de vida vegetariano. Ela, que venceu diversos prêmios no universo da música e vendeu bilhões de cópias mundo afora, disse em entrevistas que fez a escolha por sua saúde.

A artista teria dito ainda que se sente mais disposta e livre de algumas dores que a incomodavam, sem contar as alergias que sumiram. O livro “Eat to Live”, do escritor Joel Fuhrman, teria sido uma de suas principais influências.

 

2. Anne Hathaway 

A atriz norte-americana Anne Hathaway, de 35 anos, é outra celebridade vegana. Isso porque, além de ter abolido o consumo de alimentos de origem animal, ela recrimina o uso de roupas, acessórios e outros produtos que tenham ingredientes de animais.

Reconhecia especialmente por seu papel no filme “O Diabo Veste Prada” (2006) e mais tarde por “Alice no País das Maravilhas” (2010), Anne tomou essa decisão há poucos anos. Para os trabalhos mais recentes, como “Os Miseráveis” (2012), a atriz teria exigido que seus sapatos e roupas fossem de material sintético — e não de couro.

 

3. Ariana Grande

Ariana Grande, de 24 anos, é uma das cantoras norte americanas pop da atualidade. Seu grande sucesso faz com que a opção de ser uma celebridade vegana influencie os adolescentes.

Indicada ao Grammy por duas vezes, a artista se diz “100% vegana”. Ela afirmou isso pela primeira vez em 2013, através das redes sociais. Em algumas entrevistas, relatou o desafio que é manter-se no veganismo dentro de uma família italiana.

 

4. Miley Cyrus

Outra celebridade vegana é a cantora, compositora e atriz norte-americana Milley Cyrus, de 25 anos. Conhecida principalmente por seu papel como Hannah Montana, ela divulgou sua opção com um ensaio para a revista Paper Magazine.

Na edição, Milley aparece nua fazendo pose junto ao seu porco de estimação. Ela contou na entrevista que se tornou vegana após um trauma, pois seu cachorro foi morto por um coiote enquanto ela viajava numa turnê de shows.

5. Paul McCartney

 

Paul McCartney é “o rosto” de muitas campanhas em prol dos direitos dos animais. O cantor e ex-Beatle, de 75 anos, é um dos criadores do movimento Segunda Sem Carne ou, em inglês, “Meat Free Monday”. Ele é vegano há décadas.

Além disso, o artista integra um dos grupos mais importantes quando o assunto é defesa dos animais, o PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) ou Pessoas em prol do Tratamento Ético dos Animais.

 

6. Peter Dinklage

Conhecido por seu brilhante papel na série “Game of Thrones” como Tyrion Lannister, o ator Peter Dinklage, de 48 anos, é mais uma celebridade vegana. Ele disse em entrevistas que viu no veganismo uma forma de agir de forma ética com os outros animais.

Por isso, se tornou vegetariano ainda na adolescência e depois enveredou ao veganismo. Um vídeo produzido pela PETA contou com a ajuda de Dinklage, que passa uma mensagem bastante forte em relação ao consumo de alimentos de origem animal.

O que acha dessas celebridades veganas? Elas realmente colaboram para difundir essa visão de mundo? Deixe a sua opinião nos comentários!