Skip to main content

Conheça a história de 7 atletas veganos. Sim, é possível!

Vinte claras de ovos e um quilo de peito de frango todos os dias. Será essa a rotina alimentar necessária para quem é esportista ou deseja conquistar músculos? Saiba que muitos atletas veganos têm mostrado que uma alimentação livre de animais é totalmente possível.

Com uma dieta rica em proteínas de origem vegetal, eles mostram a viabilidade do consumo de brócolis, tofu, couve-flor, castanhas, soja, feijão, grão de bico e outros alimentos e suplementos para atingir suas metas – até mesmo aquelas mais difíceis.

No texto de hoje, você vai conhecer 7 atletas veganos incríveis, que conquistaram grandes objetivos em suas áreas de atuação. Confira!

1. Felipe do Carmo, o Fefeu

O fisiculturista Felipe Garcia do Carmo, conhecido como Fefeu, iniciou sua vida vegana há mais de dez anos. Ano passado, ele deu mais uma prova de que sua dieta à base de vegetais não é impedimento para várias conquistas. Ele recebeu o título regional no 2º Campeonato de Fitness e Musculação de Mairinque.

2. Paulo Victor Guimarães, o Paru

Foto: Divulgação / Facebook Paulo Victor Guimarães

Paulo Victor Pinheiro Guimarães, o Paru, também é fisiculturista vegano. Ele segue essa filosofia há mais de 15 anos e iniciou buscando informações com muita garra, já que o acesso à internet era limitado no interior da Bahia, onde ele morava na adolescência.

Hoje, além de participar de vários campeonatos, Paru ajuda a difundir pelas redes sociais a ideia de que é possível ser um atleta vegano em plena atividade. Nas costas largas, ele exibe uma grande tatuagem: “Vegan”.

3. Morgan Mitchell

Foto: Divulgação / Twitter Morgan Michell

A corredora australiana Morgan Mitchell participou dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016. Ela tem sido considerada uma das velocistas mais rápidas dos 400 metros no mundo e detalhe: é vegana! Morgan teria dito em entrevistas que não quis colocar seus objetivos como atleta à frente da vida de nenhum animal. Olha que bacana!

4. Fernandinha Ferreira

Foto: créditos na imagem

Fernandinha do Vôlei foi campeã olímpica pela seleção nos jogos de 2012 em Londres e é uma atleta vegana. Após defender o Brasil em vários jogos como levantadora, ela mantém hoje páginas nas redes sociais onde divulga ações relacionadas aos benefícios do veganismo. Inclusive, recentemente ela anunciou sua coluna na plataforma Veganistas, que reúne diversos influenciadores digitais veganos.

5. Fiona Oakes

Foto: Divulgação / Facebook Fiona Oakes

Fiona Oakes é um grande exemplo para os atletas veganos. Ela é conhecida como a mulher mais rápida ao completar maratonas em todos os continentes, incluindo as desafiadoras Maratona do Polo Norte e Maratona do Ártico em 2013. Fiona pratica o veganismo desde a década de 80 e hoje também está à frente de uma entidade que ajuda animais resgatados.

6. Venus Williams

Foto: Divulgação / Facebook Serena Williams

Venus Williams, que conquistou o maior número de medalhas em jogos olímpicos de todos os tempos no tênis, se tornou uma atleta vegana há poucos anos. Segundo reportagens publicadas na internet, Venus adotou o veganismo depois de descobrir uma doença autoimune que provoca dores musculares e fadiga.

7. Serena Williams

Os resultados da dieta vegana deram tão certo para a irmã que Serena Williams também decidiu se alimentar à base de vegetais a partir de 2012. Mudança que não afetou a brilhante carreira da esportista, que desde então ganhou vários campeonatos.

Inclusive, no começo deste ano se tornou a maior campeã em Grand Slams na era profissional da modalidade, após competir contra Venus. O feito fez com que Serena retornasse ao posto de número 1 do mundo.

São tantas histórias interessantes que não há como não se inspirar na trajetória desses atletas veganos, certo? Aproveite para ler também nosso artigo “Musculação vegana: saiba como é possível manter o low carb”.

Musculação vegana: saiba como é possível manter o low carb

Um assunto que deixa alguns admiradores do veganismo em dúvida é a possibilidade de manter uma rotina de musculação vegana. Inclusive, o tema é um tabu entre muitos instrutores de academia, que acabam incentivando o consumo de carne e ovos como únicas fontes de proteína.

Porém, existem vários fisiculturistas veganos como, por exemplo, o Felipe Carmo (Fefeu), e vegetarianos, como o lendário americano Bill Pearl. Preparamos este post para explicar como é possível conciliar uma dieta vegana/vegetariana com a sua rotina low carb.

Como levar adiante a musculação vegana?

Para seguir uma dieta restritiva como a da filosofia vegana é preciso prestar atenção às proteínas vegetais consumidas diariamente. Mas todo praticante de cutting está acostumado a esses detalhes, seja vegano ou não vegano.

Por isso, a conta é a mesma: baixa ingestão de carboidratos, bastante proteína e gorduras saudáveis. De acordo com a Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva, as pessoas que buscam a hipertrofia muscular podem atingir esse resultado com o máximo de 1,8 grama de proteína por quilo de peso corporal diariamente.

Qual a importância de diversificar as fontes?

Quando falamos em proteínas estamos nos referindo diretamente aos aminoácidos. Alguns podem ser produzidos pelo nosso próprio organismo (aminoácidos não essenciais), mas o restante precisa ser consumido junto com as proteínas (aminoácidos essenciais).

Apesar de estarem presentes em maior quantidade nos alimentos de origem animal, os aminoácidos essenciais também podem ser obtidos dos vegetais. O desafio está na diversificação necessária, já que os aminoácidos que precisamos estão espalhados em diferentes tipos de vegetais.

Afinal, o que comer?

Diante dessas informações, sabemos que para manter a musculação vegana é fundamental ter uma alimentação baseada em várias fontes. Por isso, escolher os alimentos que têm alto valor biológico é um caminho inteligente. Por exemplo: feijão, lentilha, grão-de-bico, soja, ervilha, vagem, linhaça, castanhas, chia, quinoa, amêndoas, nozes etc.

Lembrando que geralmente uma dieta para cutting restringe o consumo de carboidratos ao desjejum e ao pós-treino. Se você é praticante de musculação, vegana ou não, sabe que os carboidratos são a principal fonte de energia do nosso corpo, mas para queimar gorduras é preciso dar preferência às proteínas — que têm dupla função.

Como deve ser o acompanhamento?

Uma dieta equilibrada e bem feita é responsável por metade dos efeitos obtidos na musculação vegana. Por isso, o atleta precisa estar atento aos alimentos consumidos e seguir as orientações passadas pelos profissionais que o acompanham.

Quando o corpo encontra a quantidade de aminoácidos necessária, os músculos começam a ganhar volume. Assim que os primeiros resultados surgirem, será possível identificar quais alimentos estão sendo adequados ou não para a sua dieta.

Se a ingestão natural de proteínas não for suficiente, pode ser necessário fazer uma suplementação. É possível encontrar suplementos à base de ervilha, arroz, soja etc.

Para obter benefícios na musculação vegana é preciso procurar profissionais da área de nutrição esportiva. Somente eles são capazes de fazer a prescrição correta de alimentos e quantidades necessárias para o seu biotipo.

Não sabe por onde começar? Leia também o post que fizemos sobre os tipos de alimentos vegetais que têm mais proteína.