Skip to main content

Confira 5 mudanças que o estilo vegano trás para a sua vida

Quem adota o estilo vegano ou vegetariano de viver pode ter motivos diversos: a busca por mais qualidade de vida ou a consciência ética sobre o sofrimentos dos animais na indústria da carne. O veganismo é mais afinado com o segundo objetivo, mas os dois casos provocam mudanças profundas na vida do indivíduo.

Independente da motivação do vegano, adotar esse estilo de vida, que é uma verdadeira filosofia do cotidiano, provoca mudanças pessoais ao mesmo tempo que altera a rotina de uma casa e contribui para a construção de um mundo mais ético na relação com os animais.

Confira, neste artigo, 5 mudanças mais percebidas por quem adota o veganismo.

1. Mudança na forma de encarar o mundo

O veganismo não é apenas uma escolha nutricional. Ele vai muito além de uma dieta mais saudável. Escolher abolir a carne do prato altera as relações de consumo e a forma de interação com o mundo.

A mudança na rotina é intensa, pois a mudança do cardápio obriga o adepto a fazer pesquisas de se informar sobre os processo de produção e distribuição dos produtos. O resultado disso é uma maior consciência do lugar que ocupa na sociedade.

Há uma diminuição dos impactos que a pessoa causa no dia a dia, principalmente sobre o que costumamos chamar de meio ambiente, pois ele passam a ser percebidos.

A sociedade passa por um crivo mais crítico a partir do ponto de vista vegano. Os produtos de marcas que realizam testes em animais, por exemplo, são boicotados e eventos em que exista a exploração animal, como rodeios e circos (que ainda utilizam pombas, por exemplo) são combatidos pela causa.

2. Prevenção de doenças e melhora significativa da saúde

Todos sabem que o consumo de vegetais faz bem para a saúde. Já são décadas de produção de estudos que associam legumes, verduras, raízes e cereais com a prevenção de inúmeras doenças.

Muitas pessoas, inclusive, acabam adotando o estilo de vida vegano depois de passar por algum quadro grave de saúde – em busca de prevenir a volta da doença e aumentar a qualidade de vida.

Veja, abaixo, alguns benefícios para a saúde promovidos pelo veganismo:

Prevensão do diabetes tipo 2

Prevenção e melhora no tratamento para aqueles que já têm a doença.

Prevenção de quadros depressivos

Estudos mostram que o veganismo diminui o risco de desenvolver depressão.

Controle da pressão arterial

Veganos tendem a ter pressão arterial dentro dos limites da normalidade (clique aqui e saiba mais).

Controle do peso

A busca por vegetais e de produtos que não levam carne propiciam a exclusão de “junk foods” e de outros alimentos mais calóricos da dieta.

Prevenção de doenças cardíacas

Menos colesterol, redução do risco de diabetes e controle da pressão arterial diminui as chances de desenvolver doenças cardiovasculares.

Redução do risco de alguns tipos de câncer

Vários estudos relacionam fatores dietéticos e risco de câncer. Eles mostram redução significativa de alguns tipos da doença entre vegetarianos estritos (clique aqui e confira a fonte das informações).

Vale lembrar que a consulta a um especialista em nutrição é essencial para a adoção de uma dieta vegana que traga bons resultados para a saúde.

3. Criação de laços em comunidade

A comunidade vegana é ativa e muito receptiva. É uma oportunidade de criar laços e desenvolver-se como pessoa. A principal tônica entre os adeptos é a importância de compartilhar informações para o fortalecimento de hábitos.

Nessa rede, que pode ser virtual ou presencial, a cultura vegana é fortalecida e a troca de conhecimentos é estimulada. O adepto do estilo vegano jamais vai se sentir sozinho ou isolado do restante do mundo.

4. O vegano aprende a cozinhar

Não tem jeito: a vida vegana só é possível se o adepto aprender a cozinhar. Isso porque o mundo é carnívoro e dependente dos animais para a fabricação do mais diversos produtos alimentícios.

É difícil encontrar restaurantes veganos, principalmente fora das capitais, por isso é fundamental o preparo das refeições em casa para levar ao trabalho, escolas e encontros sociais.

Entretanto, hoje, com a internet, tudo é mais fácil. Informações sobre fornecedores de ingredientes e sites de receitas veganas estão na palma da mão – é só aprender a acender o fogão e praticar.

5. Vai ter de ser mais paciente e tolerante

O vegano encara muitas dificuldades no dia a dia. Desde a falta de informações sobre produtos (algumas marcas não informam o uso de ingredientes ou os testes realizados em animais) até a falta de compreensão de pessoas próximas em relação a essa filosofia de vida.

O jeito é ser persistente nas pesquisas e tolerante nos relacionamentos para não gerar conflitos e polêmicas desnecessárias, sem abrir mão, é claro, da tentativa de conscientizar outras pessoas sobre o tema da crueldade e exploração animal.


Por fim, ser vegano é contribuir para a mudança do mundo. O respeito aos animais, apesar de tudo, é um tema que tem sido mais abordado hoje.
Personalidades veganas contribuem para isso e iniciativas de ONGs e militantes independentes conseguem resultados em algumas áreas.

Adotar o estilo vegano é estar alinhado com o futuro, mas é importante evitar a soberba. Apenas com diálogo e persistência é possível mudar a mentalidade do mundo em relação aos animais. O importante é agir.

Então, gostou deste texto? Que tal compartilhar o conteúdo em suas redes sociais para que seus amigos também aproveitem as informações? Ah, e não deixe de conferir nossa loja virtual recheada de produtos para o público vegano!

Veganismo para crianças e adolescentes: o que você precisa saber

Geralmente, escolhemos adotar o estilo de vida vegano depois de adultos. Entretanto, o hábito de consumir alimentos apenas de origem vegetal pode começar na infância ou na adolescência. O veganismo para crianças ou jovens, entretanto, merece cuidados diferenciados em relação a tipos de nutrientes ingeridos, em prol de um desenvolvimento saudável e completo.

Há muitas controvérsias em relação a essa filosofia de vida quando adotada para os pequenos. Algumas pessoas acreditam que seus filhos podem ter retardos ou doenças se não comerem proteínas de origem animal –  o que podemos dizer que é um mito quando procuramos informações embasados por especialistas.

A questão é que os adolescentes têm todo o direito de adotar essa filosofia para a sua vida e os pais que não comem carne têm o direito de passar essa concepção ética para seus pequenos, em busca de um mundo mais sustentável, justo e sem crueldades.

Confira, neste artigo, tudo o que você precisa saber sobre o veganismo na infância e na adolescência.

A partir de qual idade a criança pode se tornar vegana?

Se os pais já são veganos, a criança vai seguir o padrão de alimentação desde a introdução alimentar, logo depois do desmame. Nessa hora, é fundamental o acompanhamento médico para que seja estabelecida uma dieta equilibrada para a família. Aliás, desde a gestação esse acompanhamento é fundamental.

O médico vegetariano e especialista em nutrologia Eric Slywitch, em seu livro “Alimentação sem Carne – Guia Prático”, afirma que alguma fonte de proteína de origem animal é necessária para a criança até um ano de idade. Isso porque a criança não consegue produzir sozinha a taurina, fundamental para o seu desenvolvimento.

Mas não se preocupe! Essa proteína é encontrada no próprio leite materno.

O médico, em seu livro, diz que uma dieta vegetariana só traz problemas para a criança quando a substituição alimentar é feita de forma inadequada. Por isso, é fundamental investir em uma grande variedade de alimentos para consumo no dia a dia, sempre com orientação nutricional.

Cuidados nas substituições

A substituição da carne na alimentação quando não é bem feita pode ocasionar problemas no desenvolvimento do indivíduo. Para saber quais são os nutrientes necessários para a criança ou adolescente é fundamental a consulta com um especialista.

Há nutriente que sabemos que são fundamentais e não podem faltar à mesa.

O ferro, por exemplo, é importantíssimo para o desenvolvimento na primeira e segunda décadas de vida. Sua falta pode provocar anemia e trazer problemas como retardo do crescimento, comprometimento da capacidade de aprendizagem (desenvolvimento cognitivo), da coordenação motora e da linguagem, além de efeitos comportamentais, como a falta de atenção e fadiga.

Por isso, esse é um dos principais nutrientes da dieta e deve ser buscado em vegetais verde-escuros e leguminosas, como o feijão.

Proteínas, como sabemos, são importantes para o desenvolvimento muscular e podem ser encontradas em cereais, leguminosas, oleaginosas e no tofu.

As vitaminas são elementos fundamentais para uma dieta saudável. A vitamina A pode ser encontrada em cenouras, brócolis, batata-doce, couve, espinafre, abóbora, ervilha e beterraba.

As vitaminas do complexo B podem ser encontradas em batatas, bananas, lentilhas e pimenta. Já a vitamina D, importante para os ossos e dentes, é produzida pelo organismo por meio da exposição ao sol. Cogumelos também são fontes excelentes dessa vitamina.

As frutas são essenciais na alimentação vegana. Elas são fontes de potássio, ferro e fibras, além de açúcares naturais, que fornecem energia.

Dicas para estimular o consumo de vegetais nas crianças

Um dos maiores problemas para os pais que querem estimular nos filhos a adoção de uma dieta vegana é a concorrência com os estímulos externos. Os adolescentes podem ser mais conscientes e tomarem a decisão de abolir a crueldade do prato por eles mesmos, mas as crianças podem não seguir essa lógica.

Entretanto, há algumas atitudes que podem ser tomadas que auxiliam na tarefa de estimular o gosto pelos vegetais – vamos a elas:

  • Leve as crianças à feira para que descubram um mundo de cores e sabores;
  • Capriche na apresentação das comidinhas – crianças são curiosas e se atraem facilmente;
  • Dê nome divertido aos pratos, pois é uma maneira lúdica de estimular o consumo;
  • Inclua verduras e legumes no lanche, para os vegetais fazerem parte de todos os momentos,
  • Respeite os gostos da criança – forçar a barra pode ser traumático e ter o efeito inverso.

Veganismo não é apenas dieta, e sim uma filosofia de vida

Por fim, o importante é entender que o veganismo não é apenas uma moda passageira ou uma forma de cuidar melhor da saúde. Na verdade, a abolição do consumo de carne é uma filosofia de vida, entendida como uma posição ética perante a crueldade da indústria da carne no mundo.

O veganismo para crianças e adolescentes tem de partir desse pressuposto. Os filhos mais velhos podem entender melhor essa situação se expostos na escola a discussões sobre o tema. Há inúmeros casos de adolescentes que se tornam os primeiro veganos da família.

Já as crianças precisam ser estimuladas ao mesmo tempo em que esse temas “pesados” precisam ser abordados de forma mais lúdica. O ideal é pesquisar bastante e contar com auxílio profissional para fazer a transição.

O que você achou deste conteúdo? Quer estimular seus filhos a adotarem uma dieta vegana? Na nossa loja virtual há inúmeros produtos que podem ajudar nessa tarefa – dê uma passadinha por lá!

Foto da capa: Kelly Sikkema on Unsplash